foto user
jorge pimenta
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Arquitetura/Somewhere, nowhere
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Arquitetura/Somewhere, nowhere
voltar lista nav-leftnav-right

Somewhere, nowhere

fotografias > 

Arquitetura

2021-06-04 09:47:19
comentários (52) galardões descrição exif favorita de (73)
descrição
A memória dos dias rouba-nos o presente, entorpece sentidos e devolve a apatia ao olhar, vem de sal em sal, na maré do tempo, antes de se tornar vapor de chá quente que, desprendendo-se da chávena, nos toca o rosto. De que vale procurá-la no vidro embaciado onde pousou, no voo triste de uma ave que ampara o vento, ou num verso de O’Neill que se não esqueceu de nós? De que vale persegui-la num poema, se a escrevemos sem palavras e para quem os códigos são metafísica de silêncio sobre a pele?
A memória dos dias é esse homem curvado na estrada numa corrida em desalinho que rejeita perder, homem grande, homem com rugas que, qual menino, incita mares e vendavais, ignorando que as vitórias ancestrais não são mais que miragem inflamando horizontes, neste oceano que se cumpre, todos os dias, em espelho e presságio.

https://www.youtube.com/watch?v=8ui9umU0C2g&list=RDMMXXYlFuWEuKI&index=3
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 10/5000
Abertura: f/7.1
ISO: 160
Distância Focal: 140/10
Software: Adobe Photoshop 21.0 (Windows)
favorita de 73
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas
Somewhere, nowhere
A memória dos dias rouba-nos o presente, entorpece sentidos e devolve a apatia ao olhar, vem de sal em sal, na maré do tempo, antes de se tornar vapor de chá quente que, desprendendo-se da chávena, nos toca o rosto. De que vale procurá-la no vidro embaciado onde pousou, no voo triste de uma ave que ampara o vento, ou num verso de O’Neill que se não esqueceu de nós? De que vale persegui-la num poema, se a escrevemos sem palavras e para quem os códigos são metafísica de silêncio sobre a pele?
A memória dos dias é esse homem curvado na estrada numa corrida em desalinho que rejeita perder, homem grande, homem com rugas que, qual menino, incita mares e vendavais, ignorando que as vitórias ancestrais não são mais que miragem inflamando horizontes, neste oceano que se cumpre, todos os dias, em espelho e presságio.

https://www.youtube.com/watch?v=8ui9umU0C2g&list=RDMMXXYlFuWEuKI&index=3
comentários
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 10/5000
Abertura: f/7.1
ISO: 160
Distância Focal: 140/10
Software: Adobe Photoshop 21.0 (Windows)

favorita de (73)