foto user
Breno Fortuna
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Animais/Selvagens Urbanos 3 - A Pregadora
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Animais/Selvagens Urbanos 3 - A Pregadora
voltar lista nav-leftnav-right

Selvagens Urbanos 3 - A Pregadora

fotografias > 

Animais

2014-07-26 23:36:22
Ver no mapa
comentários (40) galardões descrição exif favorita de (40)
descrição
Ontem o pregador de verdades dele

Ontem o pregador de verdades dele
Falou outra vez comigo.
Falou do sofrimento das classes que trabalham
(Não do das pessoas que sofrem, que é afinal quem sofre).
Falou da injustiça de uns terem dinheiro,
E de outros terem fome, que não sei se é fome de comer,
Ou se é só fome da sobremesa alheia.
Falou de tudo quanto pudesse fazê-lo zangar-se.

Que feliz deve ser quem pode pensar na infelicidade dos outros!
Que estúpido se não sabe que a infelicidade dos outros é deles.
E não se cura de fora,
Porque sofrer não é ter falta de tinta
Ou o caixote não ter aros de ferro!

Haver injustiça é como haver morte.
Eu nunca daria um passo para alterar
Aquilo a que chamam a injustiça do mundo.
Mil passos que desse para isso
Eram só mil passos.
Aceito a injustiça como aceito uma pedra não ser redonda,
E um sobreiro não ter nascido pinheiro ou carvalho.

Cortei a laranja em duas, e as duas partes não podiam ficar iguais.
Para qual fui injusto — eu, que as vou comer a ambas?


“Poemas Inconjuntos”. In Poemas de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. (Nota explicativa e notas de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1946 (10ª ed. 1993).
- 79.

1ª publ. in “Poemas Inconjuntos”. In Athena, nº 5. Lisboa: Fev. 1925.
exif / informação técnica
Máquina: Canon
Modelo: Canon EOS 1100D
Exposição: 1/640 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/10
ISO: 100
Dist.Focal: 300mm
Dist.Focal (35mm):
Software: Adobe Photoshop CC (Windows)

favorita de 40
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular
Selvagens Urbanos 3 - A Pregadora
Ontem o pregador de verdades dele

Ontem o pregador de verdades dele
Falou outra vez comigo.
Falou do sofrimento das classes que trabalham
(Não do das pessoas que sofrem, que é afinal quem sofre).
Falou da injustiça de uns terem dinheiro,
E de outros terem fome, que não sei se é fome de comer,
Ou se é só fome da sobremesa alheia.
Falou de tudo quanto pudesse fazê-lo zangar-se.

Que feliz deve ser quem pode pensar na infelicidade dos outros!
Que estúpido se não sabe que a infelicidade dos outros é deles.
E não se cura de fora,
Porque sofrer não é ter falta de tinta
Ou o caixote não ter aros de ferro!

Haver injustiça é como haver morte.
Eu nunca daria um passo para alterar
Aquilo a que chamam a injustiça do mundo.
Mil passos que desse para isso
Eram só mil passos.
Aceito a injustiça como aceito uma pedra não ser redonda,
E um sobreiro não ter nascido pinheiro ou carvalho.

Cortei a laranja em duas, e as duas partes não podiam ficar iguais.
Para qual fui injusto — eu, que as vou comer a ambas?


“Poemas Inconjuntos”. In Poemas de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. (Nota explicativa e notas de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1946 (10ª ed. 1993).
- 79.

1ª publ. in “Poemas Inconjuntos”. In Athena, nº 5. Lisboa: Fev. 1925.
Tag’s: aves,gaivota,cruz,religião,mar
comentários
galardões
  • galardão popular
    foto
    popular

Máquina: Canon
Modelo: Canon EOS 1100D
Exposição: 1/640 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/10
ISO: 100
Dist.Focal: 300mm
Dist.Focal (35mm):
Software: Adobe Photoshop CC (Windows)


favorita de (40)