foto user
André Farinha
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Paisagem Natural/Magma Tree
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Paisagem Natural/Magma Tree
voltar lista nav-leftnav-right
descrição
Os ponteiros do relógio tocavam nas 3 horas e qualquer coisa quando de repente mais um tremor de terra se fez sentir na capital Islandesa.
Não foi o mais forte nem o mais fraco, foi simplesmente mais um que se fez sentir naquela altura, mas foi o suficiente para criar uma falha na crosta terrestre com cerca de 500m de comprimento.

Nessa altura era sabido que a erupção de um novo vulcão era eminente e como tal, todos nós aqui na Islândia estávamos a monitorizar as webcams, sismos, noticias, tudo.
A partir de uma das webcams foi possível ver algo a deitar fumo, depois a arder e de seguir magma, magma fresco a escorrer pelo campo fora, era só isso que precisávamos, um bocado de emoção para sair à rua.
Foi exatamente isso que praticamente todos os habitantes da islândia fizeram, caminhadas de mais de 6 horas para testemunhar o nascimento desde novo vulcão cujo nome era Meradalir, vizinho do último vulcão que entrou em erupção em 2020, Fagradalsfjall.
Neste primeiro dia quase 10% da população islandesa se deslocou a pé pelos antigos campos de lava, uma caminhada dificil e longa, e eu está claro, não iria ficar sentado em casa a assistir apenas através de uma webcam.

Lá fomos nós com as mochilas às costas, carregados de material fotográfico, comida e roupa como se para uma guerra nos estivéssemos a preparar, caminhamos pela noite fora, sorte a nossa que isto aconteceu durante os meses de verão, de outra forma estaríamos a caminhar às escuras em terreno desconhecido, e passado 4 horas finalmente conseguimos ver aquele mar de lava, algo que julguei que nunca iria testemunhar na minha vida.

Ali naquele momento, à minha frente estava montado um cenário de guerra.
O chão tremia constantemente enquanto ao mesmo tempo barulhos ensurdecedores ecoavam por toda aquela área, o calor era insuportável, o frio era algum, a quantidade de luzes em redor daquele vale era infinita, proveniente das lanternas que algumas (sim algumas) pessoas traziam consigo, aviões a sobrevoar o local a uma altitude perigosamente baixa, drones por toda a parte, uma nuvem de fumo que desaparecia no horizonte... era simplesmente caótico mas também arrebatador, poder testemunhar um dos maiores poderes da natureza em primeira pessoa foi simplesmente magnifico.
exif / informação técnica
Máquina: DJI
Modelo: FC3170
Exposição: 1/8
Abertura: f/2.8
ISO: 100
Distância Focal: 4.5 mm
Software: Adobe Photoshop 23.1 (Windows)
favorita de 12
galardões
Esta foto não tem galardões
Magma Tree
Os ponteiros do relógio tocavam nas 3 horas e qualquer coisa quando de repente mais um tremor de terra se fez sentir na capital Islandesa.
Não foi o mais forte nem o mais fraco, foi simplesmente mais um que se fez sentir naquela altura, mas foi o suficiente para criar uma falha na crosta terrestre com cerca de 500m de comprimento.

Nessa altura era sabido que a erupção de um novo vulcão era eminente e como tal, todos nós aqui na Islândia estávamos a monitorizar as webcams, sismos, noticias, tudo.
A partir de uma das webcams foi possível ver algo a deitar fumo, depois a arder e de seguir magma, magma fresco a escorrer pelo campo fora, era só isso que precisávamos, um bocado de emoção para sair à rua.
Foi exatamente isso que praticamente todos os habitantes da islândia fizeram, caminhadas de mais de 6 horas para testemunhar o nascimento desde novo vulcão cujo nome era Meradalir, vizinho do último vulcão que entrou em erupção em 2020, Fagradalsfjall.
Neste primeiro dia quase 10% da população islandesa se deslocou a pé pelos antigos campos de lava, uma caminhada dificil e longa, e eu está claro, não iria ficar sentado em casa a assistir apenas através de uma webcam.

Lá fomos nós com as mochilas às costas, carregados de material fotográfico, comida e roupa como se para uma guerra nos estivéssemos a preparar, caminhamos pela noite fora, sorte a nossa que isto aconteceu durante os meses de verão, de outra forma estaríamos a caminhar às escuras em terreno desconhecido, e passado 4 horas finalmente conseguimos ver aquele mar de lava, algo que julguei que nunca iria testemunhar na minha vida.

Ali naquele momento, à minha frente estava montado um cenário de guerra.
O chão tremia constantemente enquanto ao mesmo tempo barulhos ensurdecedores ecoavam por toda aquela área, o calor era insuportável, o frio era algum, a quantidade de luzes em redor daquele vale era infinita, proveniente das lanternas que algumas (sim algumas) pessoas traziam consigo, aviões a sobrevoar o local a uma altitude perigosamente baixa, drones por toda a parte, uma nuvem de fumo que desaparecia no horizonte... era simplesmente caótico mas também arrebatador, poder testemunhar um dos maiores poderes da natureza em primeira pessoa foi simplesmente magnifico.
Tag’s: europa,ilha,lava,magma,quente,calor,verão,Vulcão,Islândia,nórdico,escandinávia,países nórdicos,islandês,paisagem,drone,aérea,de cima,perspectiva,horizontal,árvore,texturas,mar,oceano,viajar,caminhada,travel,escaldante,nascimento,tremor de terra,earthquake,erupção,eruption,único,mágico,novo,paisagem aérea,natural,natureza,planeta,planeta terra,alterações,alterações climáticas,clima,ártico,circulo polar ártico
comentários
galardões
Esta foto não tem galardões

Máquina: DJI
Modelo: FC3170
Exposição: 1/8
Abertura: f/2.8
ISO: 100
Distância Focal: 4.5 mm
Software: Adobe Photoshop 23.1 (Windows)

favorita de (12)