foto user
Rui Pereira Coelho
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Fotojornalismo/Homeless
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Fotojornalismo/Homeless
voltar lista nav-leftnav-right
descrição
Ontem tive um encontro que me impressionou: um pretérito cão-d’água perdido ou abandonado, feito homem-farrapo. Não gostei de ver o pobre bicho, e muito mais me chocou fazendo-me lembrar o Homem meu irmão.

TALKING TO GRIEF
Ah, Grief, I should not treat you
like a homeless dog
who comes to the back door
for a crust, for a meatless bone.
I should trust you.

I should coax you
into the house and give you
your own corner,
a worn mat to lie on,
your own water dish.

You think I don't know you've been living
under my porch.
You long for your real place to be readied
before winter comes. You need
your name,
your collar and tag. You need
the right to warn off intruders,
to consider
my house your own
and me your person
and yourself
my own dog.

FALANDO À MÁGOA

Ah, Mágoa, não te devo tratar
como um cão sem dono
que vem à porta dos fundos
para uma migalha, para um osso descarnado.
Tenho que te dar crédito.
Devo adular tua entrada
e te oferecer
teu próprio canto,
um capacho gasto pra jazer,
teu depósito de água.
Tu pensas que não sei que tens vivido
sob minha soleira.
Tanto esperaste por teu lugar redisposto
antes do inverno chegar. Precisas
do teu nome,
coleira, crachá. Precisas do direito
de advertir intrusos,
de considerar
tua a minha casa
e a mim tua dona
e tu minha
cadela.

Denise Levertov (1933-1997)
exif / informação técnica
Maquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D80
Exposição: 10/6400
Abertura: 130/10
ISO: 1600
MeteringMode: 5
Dist.Focal: 440/10

favorita de 0
galardões
Esta foto não tem galardões
Homeless
Ontem tive um encontro que me impressionou: um pretérito cão-d’água perdido ou abandonado, feito homem-farrapo. Não gostei de ver o pobre bicho, e muito mais me chocou fazendo-me lembrar o Homem meu irmão.

TALKING TO GRIEF
Ah, Grief, I should not treat you
like a homeless dog
who comes to the back door
for a crust, for a meatless bone.
I should trust you.

I should coax you
into the house and give you
your own corner,
a worn mat to lie on,
your own water dish.

You think I don't know you've been living
under my porch.
You long for your real place to be readied
before winter comes. You need
your name,
your collar and tag. You need
the right to warn off intruders,
to consider
my house your own
and me your person
and yourself
my own dog.

FALANDO À MÁGOA

Ah, Mágoa, não te devo tratar
como um cão sem dono
que vem à porta dos fundos
para uma migalha, para um osso descarnado.
Tenho que te dar crédito.
Devo adular tua entrada
e te oferecer
teu próprio canto,
um capacho gasto pra jazer,
teu depósito de água.
Tu pensas que não sei que tens vivido
sob minha soleira.
Tanto esperaste por teu lugar redisposto
antes do inverno chegar. Precisas
do teu nome,
coleira, crachá. Precisas do direito
de advertir intrusos,
de considerar
tua a minha casa
e a mim tua dona
e tu minha
cadela.

Denise Levertov (1933-1997)
comentários
galardões
Esta foto não tem galardões

Maquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D80
Exposição: 10/6400
Abertura: 130/10
ISO: 1600
MeteringMode: 5
Dist.Focal: 440/10


favorita de (0)