foto user
Thais Oliveira
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Nus/Eu sou Minha Canção
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Nus/Eu sou Minha Canção
voltar lista nav-leftnav-right

Eu sou Minha Canção

fotografias > 

Nus

2020-12-12 20:45:34
comentários (15) galardões descrição exif favorita de (47)
descrição
Trabalho fotográfico realizado por Sandra Alice Bossio

https://instagram.com/sandrabossiophotography?igshid=1skgdo5fke86e

Série idealizada por mim, mas sem o olhar sensível dela, eu não conseguiria sozinha. Quero tê-la em parceria em outras séries que tenho em mente.

Em 1998 iniciei as aulas de violino aqui em minha cidade. Meses depois formamos nossa orquestra. Tocamos The Wall, de Pink Floyd entre outras. A harmonia de todos os instrumentos é totalmente mágica. Há uma música no ar. E ela está sendo criada por nós naquele exato momento.
Mas eu nunca consegui me entregar totalmente. Me sentia a todo momento nua, exposta, mesmo com roupas. E também como não acreditava em meu potencial, não me permitia crescer, aprender mais. Minhas arcadas no violino eram sempre contidas, inexpressivas. Nunca consegui compor canções espontâneas. Eu apenas lia as partituras pré-estabelecidas. Por não acreditar em mim, a deixei de lado, para seguir carreira no magistério, mas a música nunca me abandonou. Sempre que estou distraída, minha mão esquerda dedilha cordas invisíveis de nossas antigas canções, as quais ainda sei de cor. Não há um só momento em que eu não esteja ouvindo música...

Mas agora quero ser minha própria canção. De corpo e alma. Não aquela que me fizeram idealizar... Mas a que eu sempre quis ouvir... A que ainda não foi composta... Pois cansei de querer viver o amor nas músicas que ouço... Cansei de sentir que não mais me pertencia. Quis meu corpo de volta... Consegui. Ele é só meu. Não quero mais ser o segredo de ninguém. Isso me destruiu... Mas me reergui mais forte, pois o que não mata, fortalece. Eu sou minha própria verdade. Eu me pertenço. Já escrevi nomes nestes mesmos lugares e não me arrependo de ter amado e continuar amando e os admirando, só que agora o Amor maior sou eu mesma.

Sou um Museu fechado pra organizar uma exposição para um único visitante... E não tenho pressa em recebê-lo, quem quer que ele seja... Pois amo eu mesma percorrer as galerias de meu corpo.

Estas fotos fiz como um presente de aniversário a mim mesma... Elas são um abraço na menina insegura e frágil que fui... Digo a ela: Todas estas dores só irão te fortalecer, menina... logo mais vai te tornar um Mulherão da Porra! E de todas as tuas generosas curvas, menina, a que eu mais valorizo e faço de tudo pra manter é a curva do sorriso.

E sobre a nudez... Não estou quase nua. Estou totalmente vestida de Liberdade. E isto me cai super bem.

Sexta-feira que vem, em meu aniversário, faremos a sessão na Praia dos Pescadores, ao amanhecer. Estarei vestida de Sol com algumas nuvens e biquíni cor de rosa.

Os dias de confinamento, em que passei com minha própria companhia na maior parte do tempo na minha casa rosa, me mostraram o quanto eu estava errada em me lamentar que havia perdido os melhores anos de minha vida... Sei que a cada dia estarei melhor.
exif / informação técnica
Máquina: SONY
Modelo: ILCE-6000
Exposição: 1/400
Abertura: f/1.8
ISO: 500
Distância Focal: 500/10
Software: Photopea Editor (www.photopea.com)
favorita de 47
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão popular
    foto
    popular
Thais Oliveira

Thais Oliveira

olhares.com/thais.oliveira.silva
Itanhaém - São Paulo - Brasil,
Eu sou Minha Canção
Trabalho fotográfico realizado por Sandra Alice Bossio

https://instagram.com/sandrabossiophotography?igshid=1skgdo5fke86e

Série idealizada por mim, mas sem o olhar sensível dela, eu não conseguiria sozinha. Quero tê-la em parceria em outras séries que tenho em mente.

Em 1998 iniciei as aulas de violino aqui em minha cidade. Meses depois formamos nossa orquestra. Tocamos The Wall, de Pink Floyd entre outras. A harmonia de todos os instrumentos é totalmente mágica. Há uma música no ar. E ela está sendo criada por nós naquele exato momento.
Mas eu nunca consegui me entregar totalmente. Me sentia a todo momento nua, exposta, mesmo com roupas. E também como não acreditava em meu potencial, não me permitia crescer, aprender mais. Minhas arcadas no violino eram sempre contidas, inexpressivas. Nunca consegui compor canções espontâneas. Eu apenas lia as partituras pré-estabelecidas. Por não acreditar em mim, a deixei de lado, para seguir carreira no magistério, mas a música nunca me abandonou. Sempre que estou distraída, minha mão esquerda dedilha cordas invisíveis de nossas antigas canções, as quais ainda sei de cor. Não há um só momento em que eu não esteja ouvindo música...

Mas agora quero ser minha própria canção. De corpo e alma. Não aquela que me fizeram idealizar... Mas a que eu sempre quis ouvir... A que ainda não foi composta... Pois cansei de querer viver o amor nas músicas que ouço... Cansei de sentir que não mais me pertencia. Quis meu corpo de volta... Consegui. Ele é só meu. Não quero mais ser o segredo de ninguém. Isso me destruiu... Mas me reergui mais forte, pois o que não mata, fortalece. Eu sou minha própria verdade. Eu me pertenço. Já escrevi nomes nestes mesmos lugares e não me arrependo de ter amado e continuar amando e os admirando, só que agora o Amor maior sou eu mesma.

Sou um Museu fechado pra organizar uma exposição para um único visitante... E não tenho pressa em recebê-lo, quem quer que ele seja... Pois amo eu mesma percorrer as galerias de meu corpo.

Estas fotos fiz como um presente de aniversário a mim mesma... Elas são um abraço na menina insegura e frágil que fui... Digo a ela: Todas estas dores só irão te fortalecer, menina... logo mais vai te tornar um Mulherão da Porra! E de todas as tuas generosas curvas, menina, a que eu mais valorizo e faço de tudo pra manter é a curva do sorriso.

E sobre a nudez... Não estou quase nua. Estou totalmente vestida de Liberdade. E isto me cai super bem.

Sexta-feira que vem, em meu aniversário, faremos a sessão na Praia dos Pescadores, ao amanhecer. Estarei vestida de Sol com algumas nuvens e biquíni cor de rosa.

Os dias de confinamento, em que passei com minha própria companhia na maior parte do tempo na minha casa rosa, me mostraram o quanto eu estava errada em me lamentar que havia perdido os melhores anos de minha vida... Sei que a cada dia estarei melhor.
comentários
foto autor

Thais Oliveira

olhares.com/thais.oliveira.silva
Itanhaém - São Paulo - Brasil,
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão popular
    foto
    popular

Thais Oliveira

Thais Oliveira

olhares.com/thais.oliveira.silva
Itanhaém - São Paulo - Brasil,
Máquina: SONY
Modelo: ILCE-6000
Exposição: 1/400
Abertura: f/1.8
ISO: 500
Distância Focal: 500/10
Software: Photopea Editor (www.photopea.com)

Thais Oliveira

Thais Oliveira

olhares.com/thais.oliveira.silva
Itanhaém - São Paulo - Brasil,
favorita de (47)