foto user
jorge pimenta
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Fotografia de Rua/De um quase poema
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Fotografia de Rua/De um quase poema
voltar lista nav-leftnav-right
descrição
Comovo-me quando chegas até mim. Ainda agora, sentado no chão do meu quarto, os pés frios e o olhar na janela, a pensar as montanhas do Gerês que não se cansam da distância, comovo-me. E tudo aquilo que penso, enquanto o olhar atravessa o mundo, podia ser um poema, talvez mesmo um poema de Amor, feito das minhas mãos e do teu cabelo cansados de ler Álvaro de Campos e a semicerteza de que não somos nada e nunca poderemos querer ser nada. Mas hoje não é dia de agitar palavras, hoje não é dia de morder o verso porque estou só e estando só é como se o quarto estivesse sem ti e o chão não mais amparasse os pés e as montanhas mais altas bocejassem de tédio de tanto as olhar.
E o tempo passa depressa, tu passas ainda mais depressa pelo poema que não escrevi, sabes, tenho mais medo de não te sentir a passar do que ao tempo e a todas as horas escritas num futuro impossível.
Comovo-me quando chegas até mim… mesmo que figura invisível e sem voz.
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 10/2500
Abertura: f/7.1
ISO: 160
Distância Focal: 140/10
Software: Adobe Photoshop 21.0 (Windows)
favorita de 109
galardões
  • galardão foto da semana
    foto da
    semana
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador
  • galardão curador
    curador
De um quase poema
Comovo-me quando chegas até mim. Ainda agora, sentado no chão do meu quarto, os pés frios e o olhar na janela, a pensar as montanhas do Gerês que não se cansam da distância, comovo-me. E tudo aquilo que penso, enquanto o olhar atravessa o mundo, podia ser um poema, talvez mesmo um poema de Amor, feito das minhas mãos e do teu cabelo cansados de ler Álvaro de Campos e a semicerteza de que não somos nada e nunca poderemos querer ser nada. Mas hoje não é dia de agitar palavras, hoje não é dia de morder o verso porque estou só e estando só é como se o quarto estivesse sem ti e o chão não mais amparasse os pés e as montanhas mais altas bocejassem de tédio de tanto as olhar.
E o tempo passa depressa, tu passas ainda mais depressa pelo poema que não escrevi, sabes, tenho mais medo de não te sentir a passar do que ao tempo e a todas as horas escritas num futuro impossível.
Comovo-me quando chegas até mim… mesmo que figura invisível e sem voz.
comentários
galardões
  • galardão foto da semana
    foto da
    semana
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 10/2500
Abertura: f/7.1
ISO: 160
Distância Focal: 140/10
Software: Adobe Photoshop 21.0 (Windows)

favorita de (109)