foto user
jorge pimenta
nav-left nav-right
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Paisagem Urbana/Com ponteiros nos pés
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Paisagem Urbana/Com ponteiros nos pés
voltar lista nav-leftnav-right

Com ponteiros nos pés

fotografias > 

Paisagem Urbana

2021-03-28 12:40:36
comentários (52) galardões descrição exif favorita de (71)
descrição
Julho. Olho pela janela da composição. No cais, figuras de papel colecionam os passos, empurradas pelo balanço das cordas de um deus com ponteiros nas mãos. A todos exige urgência, silêncios a retalhar a pele com que alaga ruas na enxurrada dos corpos… e o olhar cansa-se, esgota-se, neste estio glacial a impor geometrias aos rostos e a desintegrar sorrisos onde a felicidade é apenas quimera que a cidade corrompeu
E o tempo, mais veloz do que os passos, espalha no vento a violência do erro abrindo um rasto de sangue, enquanto eu, já de olhos fechados, sinto a boca a suster um grito, sinto o corpo mergulhado em águas frias, versos de um poema incompleto já tão distante de mim.
E falta tanta coisa… falta tanto… falta luz sobre o olhar, falta sentido para os passos, faltam árvores sobre a linha e segmentos de vida sobre os de reta, falta sermos humanos tendo por urgência primeira o desejo de acontecer.
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 10/50
Abertura: f/6.3
ISO: 160
Distância Focal: 140/10
Software: Adobe Photoshop 21.0 (Windows)
favorita de 71
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão popular
    foto
    popular
Com ponteiros nos pés
Julho. Olho pela janela da composição. No cais, figuras de papel colecionam os passos, empurradas pelo balanço das cordas de um deus com ponteiros nas mãos. A todos exige urgência, silêncios a retalhar a pele com que alaga ruas na enxurrada dos corpos… e o olhar cansa-se, esgota-se, neste estio glacial a impor geometrias aos rostos e a desintegrar sorrisos onde a felicidade é apenas quimera que a cidade corrompeu
E o tempo, mais veloz do que os passos, espalha no vento a violência do erro abrindo um rasto de sangue, enquanto eu, já de olhos fechados, sinto a boca a suster um grito, sinto o corpo mergulhado em águas frias, versos de um poema incompleto já tão distante de mim.
E falta tanta coisa… falta tanto… falta luz sobre o olhar, falta sentido para os passos, faltam árvores sobre a linha e segmentos de vida sobre os de reta, falta sermos humanos tendo por urgência primeira o desejo de acontecer.
comentários
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão popular
    foto
    popular

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 10/50
Abertura: f/6.3
ISO: 160
Distância Focal: 140/10
Software: Adobe Photoshop 21.0 (Windows)

favorita de (71)